Wagner celebra alfabetização de 460 mil alunos do TOPA

Uma quinta-feira (3) sem meias palavras, no Hotel Pestana, que reservou ao governador Jaques Wagner uma manhã repleta de histórias e lições de vida de 600 alunos dos 289 mil alfabetizados da segunda turma do Programa Todos Pela Alfabetização (TOPA). Em vez de parlamentares, secretários, jornalistas e professores, os holofotes da cidadania se voltaram para Dona Enedina Pereira da Silva, de 100 anos, e Seu Ubaldo Dias, de 106 anos, alunos do TOPA, que prestigiaram a formatura dos colegas de programa.

Na abertura, a oradora da turma, Raimunda Peixoto, de 70 anos, assumiu o púlpito para emocionar a platéia e o governador baiano com uma frase daquelas: “O TOPA foi uma luz na minha vida, porque, aprendi a ler, a escrever e hoje sei que tenho direitos e faço parte da história da educação na Bahia”, sintetizou Dona Raimunda, como, certamente, definiria ilustres nomes, a exemplo de Anísio Teixeira.

Até 2010 a meta é alfabetizar um milhão de baianos. Em 2007, éramos mais de 2 milhões de analfabetos na Bahia. Por enquanto, os alunos do TOPA cumpriram parte deste longo percurso, atingindo hoje a marca de 460 mil pessoas que já sabem ler e escrever.

Na hora de conversar com a platéia, o governador baiano quebrou o protocolo e resolveu chamar Dona Enedina e Seu Ubaldo, de chapéu na cabeça, para subirem até o palco e receberem os aplausos do público. Dando continuidade a solenidade, Wagner fez uma análise da cultura política baiana e afirmou que “o analfabetismo era uma das formas que os velhos políticos usavam para escravizar o povo”.

Na oportunidade, Wagner fez um comentário sobre o problema de visão, que aflige muitos baianos, principalmente, no interior do estado. “Muitas pessoas não aprendem a ler, porque, nunca foram assistidas, por exemplo, por um oftalmologista”. A cerimônia de certificação do TOPA também foi palco da entrega simbólica de óculos de grau a um alfabetizado, beneficiado pelo programa Saúde em Movimento, cuja meta é oferecer assistência oftalmológica a 385.722 alunos do Topa.

Daí Wagner encaixou uma história que viveu no município de Caetité, no lançamento do Programa Saúde em Movimento, onde assistiu a cirurgia nos olhos de uma senhora. Após a cirurgia, Wagner conversou com ela e perguntou: “E agora, está enxergando melhor mesmo?” e ela respondeu com a graça dos olhos: “Uma maravilha, só falta agora dançar forró”, arrancando gargalhadas da platéia de professores e alfabetizados do TOPA.

Além dos 460 mil alunos alfabetizados pelo TOPA foram qualificados 17,5 mil alfabetizadores, mil coordenadores de turmas e 75 intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras). O programa ainda tem o desafio de assegurar que pelo menos 70% dos egressos dêem continuidade aos estudos. Os números alcançados com o Topa fazem da Bahia o estado campeão em alfabetização no país e também referência para outros estados e para o programa Brasil Alfabetizado, do Ministério da Educação (MEC).

%d blogueiros gostam disto: